orientação

Princípios

> Privilegiar ações que tenham subjacente uma visão holística de sustentabilidade dos recursos, uma perspetiva de fileira e de cadeia de valor.

> Atuar, desejavelmente, em complementaridade, em rede e em cooperação.

> Total transparência.

> Custo de oportunidade na aplicação de fundos.

Objetivos

> Promover produtos locais e saberes tradicionais; 

> Valorizar recursos locais visando o turismo sustentável nas vertentes: Aldeia, Natureza, Histórico-Cultural, Saúde e Bem-Estar; 

> Pugnar por projetos estruturantes; 

> Apoiar o empreendedorismo de base local, qualificar e regenerar negócios existentes; 

> Promover e/ou organizar feiras, certames, exposições, colóquios, workshops e quaisquer outras manifestações que contribuam para a realização dos seus objetivos;

> Contratualizar projetos de pesquisa, individuais ou coletivos, nas áreas de intervenção.

PILARES DE ATUAÇÃO

CAPACITAÇÃO

Produção de impacto societal coletivo positivo, para criar condições e espaço para a mudança, para o surgimento de uma nova economia, geradora de riqueza e emprego:

> Reforçar a autoestima da população;

> Contrariar a pouca cultura de colaboração, combater o espírito individualista, contribuir para reforçar o espírito cooperativo;

> Ganhar massa crítica e capacidade para aceder a mercados mais valorizados;

> Aproximar pessoas e entidades e quebrar desconfianças entre atores locais;

> Valorizar os potenciais de desenvolvimento, apostar na qualificação e profissionalismo dos sectores de atividade existentes, mormente na formação profissional;

> Fomentar a aprendizagem, a formação e a partilha de informação associada à valorização dos recursos agroflorestais, à preservação da natureza, ao turismo rural;

> Dinamizar processos empreendedores, facilitando as relações e as cooperações;

> Promover a animação turística e de lazer;

> Contribuir para a fixação e empregabilidade, em especial de jovens, em iniciativas que façam falta;

> Promover estudos sobre a problemática socioeconómica e ambiental para identificar barreiras ao desenvolvimento (comportamentais, sociais, culturais, mercado, etc. ) e atuar sobre esses bloqueios;

> Fortificar laços de solidariedade e cooperação com outras entidades locais cujos princípios e estatutos se mostrem compatíveis, integrando, nomeadamente, redes de Associações com fins idênticos aos da AMCF;

> Apoiar os associados em matérias de consulta e assistência jurídica, fiscal e económica, sobre assuntos ligados à atividade económica.

DIVULGAÇÃO

> Valores tradicionais, culturais, sociais, paisagísticos, ambientais, ecológicos, biodiversidade, etc para promover o crescimento e desenvolvimento sustentável; Informação considerada útil para a capacitação, para o despontar de iniciativas empresariais, para o desenvolvimento de microeconomias locais;

> Informação útil e acessível sobre exploração agrícola, florestal silvicultura, apicultura, agricultura biológica, plantas aromáticas, etc.

ECONOMIA LOCAL

> Atração de investimento, de talentos, de fixação de pessoas e empresas;

Inovação no aproveitamento dos recursos locais aproveitando a disponibilidade de terrenos para a atividade agrícola;

Referenciação de projetos âncora.

REPRESENTAÇÃO

Dos associados junto da opinião pública, entidades oficiais, associações e outras organizações;

Colaborar com os organismos oficiais e outras entidades para encontrar soluções para os problemas económicos, sociais e ambientais;

Cooperar com Entidades e outras Associações em iniciativas que visem a prossecução de interesses comuns, nomeadamente o desenvolvimento de microeconomias locais, projetos de investimento e a capacitação dos recursos humanos;

Desenvolver relações com entidades nacionais e internacionais que se revelem com interesse para a realização dos objetivos da AMCF.